Rua José Alexandre Buaiz, 350 Ed. Affinity Work, sala 613 - Enseada do Suá - Vitória/ES

27 3020-3037 / 27 99771-0028

  • Segunda à Sexta
    8 às 18 horas
  • Rua José Alexandre Buaiz, 350
    Ed. Affinity Work, sala 613 - Enseada do Suá - Vitória/ES
  • 27 3020-3037
    27 99771-0028
Gentle close-up of sleeping baby.

Gravidez de gêmeos: o que é a Síndrome de Transfusão Feto-Fetal?

Os fetos em uma gravidez gemelar com placenta única não são indivíduos independentes. Eles competem pelo espaço físico e suprimento nutricional. O desequilíbrio resultante dessa competição pelos nutrientes acarreta a Síndrome de Transfusão Feto-Fetal (STT). Segundo a literatura médica, os dados revelam que 10% a 30% das gestações gemelares monocoriônicas desenvolvem a STT (Peralta CF, 2017). No Brasil, pelos números no Ministério da Saúde de 2010 (nascidos vivos), temos uma prevalência de 1.907 casos por ano. Esses representam 20% a 30% das internações na UTI neonatal.

O diagnóstico pré-natal de STT é feito por meio de achados característicos específicos no exame de ultrassonografia em gêmeos de placenta única (monocoriônica), por exemplo, a presença de polidrâmnia/oligodramnia. Quando não tratada de forma adequada, essa condição clínica é letal em pelo menos um feto em 80% dos casos, apresentando um risco de 25% de complicações neurológicas nos sobreviventes – dados da Society for Maternal-Fetal Medicine.

A boa notícia é que há tratamento eficaz, principalmente se realizado no momento certo. A Comissão de Medicina Fetal da Febrasgo recomenda o  procedimento de ablação de vasos placentários com laserterapia, o que apresenta pequeno percentual de comprometimento neurológico de neonatos a longo prazo quando comparado a outros tratamentos.

Compartilhe

Facebook
Google+
Twitter